Confira como a chegada da Black Friday impulsiona a criação de empresas de tecnologia

Uma tradição que já dura 8 anos, a Black Friday costuma animar uma legião de consumidores em busca de preços baixos. Para que tamanha animação não resulte em frustração, algumas startups de tecnologia têm investido na segurança de clientes de lojas de comércio virtual. Se em comércios com sede física o risco de fraudes diversas é menor, nos que atuam pela internet a realidade pode gerar notícias negativas.

Conforme uma pesquisa realizada pelo site ReclameAqui, que como o próprio nome sugere consiste em um ambiente voltado ao recebimento de reclamações sobre empresas, diversas irregularidades costumam ser encontradas nesta data. A principal delas refere-se ao fato de muitas companhias praticarem aumentos mascarados de preços. Outro fato que chama a atenção no levantamento é o grande volume de fretes com valores mais altos do que o normal.

Com um total de 7,9 mil participantes, a pesquisa do reclame aqui também pode mensurar a quantidade de pessoas que compraram e não receberam os seus produtos, ou seja, foram enganados. Essa prática criminosa é uma das mais comuns na Black Friday, de forma que já se tornou um dos grandes temores verificados em consumidores de diversos tipos.

O ReclameAqui também se encarregou de entrevistar pessoas acerca de suas experiências na Black Friday de 2018. Neste caso, mais da metade dos participantes alegou não acreditar mais em descontos mirabolantes. Segundo eles, tratam-se de ofertas fantasiosas. Destes consumidores, 20,45% informaram que tiveram vários tipos de problemas envolvendo as compras desta ocasião.

Com base nas impressões de consumidores em todo o país, uma empresa resolveu atuar na verificação dos preços praticados. Trata-se da Promobit, que se baseia em uma plataforma onde são disponibilizados descontos de diversas naturezas. O funcionamento da startup se dá por meio de opiniões de clientes e compartilhamentos de informações relevantes ao assunto.

Criada no ano de 2014, a Promobit também oferece um serviço de curadoria de preços. Nos dias atuais a startup conta com um total de 560 mil membros, que se revezam quanto o compartilhamento de descontos reais, em uma espécie de ajuda mútua entre consumidores. Um de seus criadores, o empresário Fábio Carneiro, alega que a principal finalidade dos serviços que presta é ajudar as pessoas no momento das compras.

Saiba mais:

https://www.terra.com.br/noticias/tecnologia/inovacoes-tecnologicas/os-caca-fraudes-startups-ajudam-consumidores-e-lojistas-a-fugir-de-golpes-na-black-friday,3670862ce86db60c0e78ad670200538cvfxmm4gb.html

Fim do programa Mais Médicos eleva fila nas unidades básicas de saúde do país

Diversas cidades brasileiras sentiram os reflexos causados pela descontinuação do programa Mais Médicos. Com a retirada dos médicos cubanos que atendiam em várias cidades do país, os atendimentos médicos ficarão ainda mais precários. Na maioria dos postos de atendimento há diversas filas por causa da redução de médicos, enquanto que em outros postos de saúde o atendimento foi totalmente bloqueado pela falta de médicos.

Essa falta de médicos atingiu principalmente as cidades de São Paulo, Matão (SP), Itapecerica da Serra, Novo Hamburgo (RS), Ponta Grossa (PR), São Miguel Arcanjo (SP), Cruzeiro do Sul (AC), Gravataí (RS), Campinas (SP), São Leopoldo (RS) e Uberaba (MG). Nestas cidades, há unidades de saúde sem nenhum médico para prestar atendimento básico à população.

Na cidade de Matão, em São Paulo, a USF que atende no bairro Cadioli possuía ao todo apenas três médicos, sendo todos eles cubanos. Com a nova medida que acabou com o programa Mais Médicos, esse mesmo posto ficou com as salas vazias sem poder prestar nenhum tipo de atendimento.

Além de Matão, cidades no Paraná e no Rio Grande do Sul também foram fortemente afetadas pelo fim do programa Mais Médicos. Nessas regiões, os médicos cubanos que atendiam nos postos de saúde receberam uma espécie de comunicado do próprio governo cubano relatando o cancelamento do programa.

Até o momento, o fim do programa Mais Médicos segue com o cancelamento do atendimento oferecido pelos médicos cubanos. Embora o governo cubano tenha anunciado o fim do programa ainda em 14 de novembro deste ano, não havia nenhuma data para que os médicos cubanos cancelassem o atendimento prestado aos postos de saúde do Brasil. Mas de acordo com a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), a previsão é de que os médicos cubanos retornem para Cuba até o dia 12 de dezembro ainda deste ano.

Nas notícias divulgadas sobre o fim do programa Mais Médicos, o governo cubano informou ao Brasil que as “referências diretas, ameaçadoras e depreciativas” realizadas pelo presidente Jair Bolsonaro foram uma das razões para a descontinuação do programa. Com este comunicado, o governo cubano se mostrou preocupado com o rumo que o Brasil tomará a partir dos próximos anos.