Guilherme Paulus: o guru brasileiro do mundo das viagens e do turismo

Guilherme Paulus é um bilionário brasileiro que foi classificado na lista de bilionários da Forbes. Paulus estagiou na IBM antes de completar 20 anos. Apenas alguns anos depois, Guilherme Paulus realizou seu sonho de abrir seu próprio negócio no Brasil oferecendo aos clientes tours.

Sua visão era oferecer viagens e serviços sem preocupações, que logo lhe renderam a capacidade de abrir mais lojas em todo o Brasil. Com foco em serviço e experiências sem preocupações, Paulus construiu um império que possui mais de 3.000 quartos em todo o Brasil e milhares de funcionários.

Paulus e seu sócio que era um político brasileiro, abriram a CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. Construir um negócio no Brasil foi desafiador devido à variedade de permissões e várias restrições, mas eles trabalharam com os desafios e puderam iniciar negócios.

Aproveitando as oportunidades do setor de turismo no Brasil, oferecendo excelente serviço ao cliente e focando no crescimento de seus negócios, Guilherme Paulus deixou de abrir uma única loja em 1972 para se tornar a maior operadora de turismo da América Latina.

A empresa expandiu-se a cada ano sob a orientação de Paulus devido à atenção dada ao fornecimento do melhor serviço, acomodações, restaurantes e locais. A empresa de Paulus tem três marcas para atrair os viajantes de luxo, aqueles que buscam preços moderados e atendem àqueles que têm orçamento limitado.

Em 2005, o empresário Paulus fundou a GJP Hotels and Resorts, controlando mais de uma dezena de hotéis e resorts em todo o Brasil.

A GJP oferece lances a fim de manter e construir seus próprios hotéis perto de aeroportos em todo o Brasil para aumentar seu alcance e lucros com grandes expectativas para os visitantes do país na Copa do Mundo de Futebol e nas Olimpíadas de verão.

Perto do final de 2009, o grupo Carlyle comprou quase uma participação de 64% na CVC por aproximadamente US $ 420 milhões.

Guilherme Paulus: um empreendedor otimista que conhece o valor de agir

Como vendedor, Guilherme Paulus acredita que um dos melhores livros que qualquer vendedor poderia ler é “O Maior Vendedor do Mundo”. O livro foi escrito por Og Mandino e Paulus admite que aprendeu muito sobre vendas ao ler o livro. Ele agora planeja sua semana antes do tempo e usou outros métodos mencionados no livro para ser um vendedor melhor.

O executivo Paulus não gosta de deixar uma ideia sentada no gravador por muito tempo. Ele acredita que a melhor coisa a fazer com uma ideia é implementá-la e ver o que acontece. Muitos empresários têm medo de arriscar, mas ele sempre foi um homem de ação.

Paulus sente que há sempre um elemento de fé envolvido em avançar com uma idéia, e é óbvio que sua filosofia é boa com base no resultado de seus muitos empreendimentos de sucesso.

Quando se trata de se concentrar em sua empresa, ele sempre foi um homem para se envolver em vários mercados. Com CVC e GJP, isso significa que ele trabalhou para fornecer serviços para viajantes internacionais, bem como para viajantes domésticos.

Novo empreendimento de Guilherme Paulus, em SP, será um hotel butique

Com o anúncio de um novo “hotel butique”, Guilherme Paulus está dando o que falar. Se é certo que, no segmento hoteleiro, ele certamente vira assunto, dados os atuais empreendimentos do seu grupo GJP, eis que será então, desta vez, manchete de jornal, com seu novo hotel de luxo, localizado na avenida Cidade Jardim, em São Paulo capital. Com essa ideia mais singular posta em prática, sendo que está prevista para ser lançada, provavelmente, entre os anos de 2020 e 2021, esse empresário, que é, além de dono do referido grupo referência em hotéis, também um dos maiores acionistas da igualmente célebre operadora de turismo CVC, acrescentará mais um marco à sua carreira: a criação de uma nova bandeira, uma nova marca de hotéis de luxo.

Ao que tudo indica, é essa a pretensão de Guilherme Paulus, com o tal “hotel butique”. E espera-se, com essa iniciativa de uma nova bandeira além das quatro já criadas pelo grupo (Wish, Prodigy, Linx e Saint Andrews), que siga-se a mesma tendência dos hotéis Emiliano, estes também de luxo. Afinal, seguindo essa referida linha, a bandeira recém-inaugurada viria a se estender pelo menos ao Rio de Janeiro, não limitando-se apenas ao Estado de São Paulo. Mas enquanto o mistério da bandeira escolhida não é resolvido, fiquemos com o que já foi divulgado e afirmado pelo próprio empresário Guilherme Paulus: o hóspede do hotel butique terá 65 apartamentos à sua disposição de escolher um deles. E se a fome bater, o que provavelmente ocorrerá, ele terá acesso a um formidável restaurante, contendo ainda, como bônus, um espaço para eventos. No mais, vale pontuar que o hotel possuirá rooftop também.

Outra questão que precisamos tratar é a da localização específica desse novo hotel de tipo butique, a qual já está, desde agora, precisamente definida, visto que Guilherme Paulus antecipou-se em comprar o imóvel para a realização desse empreendimento. Trata-se, portanto, de um conhecido prédio na avenida Cidade Jardim, como já dito, porém, mais especificamente, onde ficava a agência de publicidade de nome DPZ, tempos antes.

Contudo, como a entrega desse novo hotel de nova bandeira, ao que tudo indica, demorará cerca de dois a três anos para ocorrer, o leitor que quiser conhecer, desde aqui, a excelência dos serviços prestados pela GJP Hotels e Resorts, na qual Guilherme Paulus é presidente, tem à sua disposição, por enquanto, doze opções para hospedagem. Sim, dando tudo certo, o hotel butique será o décimo terceiro empreendimento do empresário nesse segmento mercadológico.

Podemos sugerir duas opções dentre esse total de doze, ambas situadas na mesma região: a Serra Gaúcha. Todavia, apesar de situarem-se os dois, inclusive, na cidade de Gramado, o Saint Andrews Gramado e o Wish Serrano Resort possuem diferenças notórias entre si: o primeiro, em forma de castelo, situa-se dentro de um condomínio particular, bem no centro da referida cidade, dispondo de 19 suítes, ao todo; o segundo, que é um resort, por sua vez, encontra-se às margens da célebre Avenida das Hortênsias, e oferece mais de 200 apartamentos para os seus hóspedes.

Guilherme Paulus participará do Fórum Conectivdade – Hub Negócios

Guilherme Paulus — uma das personalidades mais importantes do Turismo brasileiro — participará do evento denominado Fórum Conectividade – Hub Negócios, que foi criado e organizado pelas empresas: Mercado & Eventos e Promo Marketing Inteligente.

Elas se uniram para trazer temas pertinentes ao crescimento e o futuro da indústria da aviação comercial brasileira e da América Latina, principalmente, tendo em vista que a conectividade aérea é a maior responsável pelo desenvolvimento do turismo. Sem dúvidas ela é considerada essencial para o crescimento da economia de um país.

O evento contará com debates e palestras e terá a participação de 300 profissionais. Sua principal finalidade é promover mesas-redondas para que os líderes e empreendedores do Turismo do Brasil — entre eles, Guilherme Paulus —, possam palestrar e debater as melhores práticas para o desenvolvimento desse segmento.

A organização do evento já possui sua grade de painéis programada para, assim, poder abordar os principais assuntos que envolvam a conectividade aérea. O evento contará com quatro horas e desenvolverá conteúdos, como Formação e Hub, Desenvolvimento de Rotas, Aeroportos, Políticas Públicas, entre outros.

O evento terá o patrocínio de Foz do Iguaçu, Ceará, Espírito Santo, CVC, FBHA, Localiza, Inframerica, CNC, VINCI Airports, Shift, Renaissance e Ministério do Turismo.

O Fórum Conectividade – Hub de Negócios acontecerá em São Paulo no dia 26 de novembro, no Teatro Renaissance, a partir das 13:30 hs, com inscrições gratuitas.

Sobre Guilherme Paulus

Paulus, que atua no Turismo do Brasil há cerca de 50 anos, foi o fundador da CVC Turismo em 1972, em Santo André. O negócio foi feito, na época, em sociedade com Carlos Vicente Cerchiari e ambos a transformaram no império que é hoje, principalmente, pelo empreendedorismo e visão inovadora.

A CVC foi vendida em 2009 ao Carlyle Group — ocasião em que Guilherme Paulus passou a contar com um suporte de um fundo global de investimentos — que foi fundamental para o crescimento ainda maior da empresa em questão. Contudo, ele ainda é dono de cotas e faz parte do Conselho da empresa — que fatura R$ 5,2 bilhões anuais.

O visionário Guilherme Paulus, atualmente, faz parte do Conselho da CVC Corp — como já mencionamos neste artigo — e é presidente da GJP Hotels e Resorts, que conta com hotéis luxuosos na Serra Gaúcha, entre outros locais. No momento, segue com o projeto do luxuoso hotel em São Paulo, na Avenida Cidade Jardim, que só terá a surpreender com o luxo e sofisticação.

Vale ressaltar que o empresário foi escolhido pela Revista Isto É, em 2017, como o “Empreendedor do Ano” do setor de serviços. A publicação considerou sua atuação de grande destaque no cenário turístico brasileiro.

Flavio Maluf, Presidente Executivo do Grupo Eucatex

 

Flavio Maluf é formado pela Fundação Armando AlvaresPenteado, com especialização em engenharia mecânica. Ele também estudou na Universidade de Nova York, onde se formou em administração de empresas, e é aí que ele adquiriu suas habilidades de gestão e adotou uma abordagem modernizada de liderança.

 

Apesar de ter vindo de uma família rica, Flavio Maluf conseguiu chegar ao sucesso e construir seu próprio império. Ele nasceu em uma família rica e política. Seu pai é um político bem reputado e um homem rico. Flavio é atualmente o presidente da Grand Food e também herdou sua empresa familiar, assumindo o papel de liderança, desde 1997. Saiba mais sobre Flavio Maluf na InfoMoney

 

Flavio Maluf também atua como presidente executivo da Eucatex, que é uma empresa de processamento de madeira que usa eucalipto para fabricar chapas e folhas macias, que são usadas principalmente na indústria da construção. Flavio começou a trabalhar na empresa em 1987, onde ocupou vários cargos de liderança.

 

Ele trabalhou no departamento de mais tarde e mais tarde foi promovido para o departamento de mecânica e, finalmente, tornou-se o presidente, cortesia de suas grandes habilidades gerenciais e dedicação. Em 2010, sob sua gestão, a empresa iniciou uma outra empresa de produção localizada em Saltos, uma vez que visava aumentar o volume de sua produção.

 

A Eucatex Company produz principalmente verniz de madeira, tintas, divisórias de paredes e casas, portas, pisos, painéis, todos os tipos de plásticos e também isolamentos. Que são ambientes amigáveis, fáceis de usar e com ótimos preços.

 

A empresa está em operação há mais de 50 anos e vem exportando seus produtos para outros países, e conta com mais de 2.500 empregadores, o que faz com que tenha o maior número de empregadores no Brasil.

 

A empresa faturou R $ 318 milhões, gerando um lucro líquido de R $ 18,6 milhões, a partir de 2017. É realizada a aquisição da Botucatu, a Ducatex de São Paulo, que é uma fabricante popular de painéis de construção. As duas empresas concordaram em começar a compartilhar ativos em janeiro de 2018. Os ativos da Ducatex que foram adquiridos pela Uecatex valem R $ 60 milhões.

 

Oportunidade agro: Flavio Maluf reporta alguns dos principais eventos do setor ainda para este ano

Felipe Montoro Jens reporta convênio firmado entre BNDES e BID para nova linha de crédito

Um convênio firmado entre o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), em novembro passado, promoverá a abertura de uma nova linha de crédito condicional. Ao todo, a parceria disponibilizará US$ 2,4 bilhões, noticia Felipe Montoro Jens, Especialista em Projetos de Infraestrutura.

O objetivo do acordo é permitir o financiamento de projetos oriundos da iniciativa privada, a médio e longo prazo, nos seguintes setores: sustentabilidade energética, infraestrutura e suporte a projetos inovadores em médias e pequenas empresas. Além disso, de acordo com informações veiculadas na imprensa pelo BNDES, um contrato de empréstimo no valor de US$ 900 milhões já foi assinado e será direcionado para o Programa de Financiamento para Energia Sustentável. Este é o primeiro repasse do convênio e conta com US$ 750 milhões provenientes do BID e US$ 150 milhões originários do BNDES. Os recursos deverão subsidiar projetos voltados à energia eólica, reporta Felipe Montoro Jens.

Sobre o BNDES

Com mais de seis décadas de operação, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social é considerado uma das maiores instituições financeiras, entre as dedicadas ao desenvolvimento social, em todo o mundo. Conforme destaca Felipe Montoro Jens, o BNDES, nos últimos anos, tem sido um dos principais mecanismos do Governo Federal para custear investimentos e financiamentos a longo prazo em diversos setores da economia nacional.

Segundo a própria homepagedo BNDES, o órgão “confere apoio aos empreendedores brasileiros, independentemente de seu porte (até mesmo pessoa física), para que seus planos de crescimento, modernização ou realização de novos negócios possam ser efetivados, prezando sempre a criação de empregos, aumento da renda e consequente desenvolvimento do país”.

A assistência proveniente do BNDES pode ocorrer de diversas formas, contudo, os principais meios de suporte são: investimentos e financiamentos; aumento de capital a partir de valores mobiliários (subscrição); concessão de garantias e destinação de recursos (não reembolsáveis) a programas sociais, esportivos e culturais, ressalta Felipe Montoro Jens.

Sobre o BID

O site oficial do Banco Interamericano de Desenvolvimento revela que a instituição, concebida em 1959, tem como principal missão a melhoria da qualidade de vida das populações do Caribe e América Latina: “Prezamos pela melhoria da saúde, infraestrutura e educação por intermédio de suporte técnico e financeiro às nações que lutam pela redução da desigualdade e pobreza. A nossa obrigação é elevar o desenvolvimento social de maneira ecológica e sustentável”.

O BID mantém parcerias com outras instituições, de modo a compor o Grupo BID. Além do Banco Interamericano de Desenvolvimento, constituem o Grupo: o Fundo Multilateral de Investimentos (Fumin) e a Corporação Interamericana de Investimentos (CII). Entre os atuais propósitos de intervenção do Grupo estão compreendidos alguns desafios: melhorar as taxas de crescimento econômico e os níveis de igualdade e inclusão social.

Além disso, outras metas do Banco Interamericano de Desenvolvimento incluem: fornecer provisões às carências das nações mais vulneráveis, possibilitar o desenvolvimento a partir da iniciativa privada, além de fomentar a integração regional, reporta o Especialista em Projetos de Infraestrutura, Felipe Montoro Jens.