Conheça a história do processo de privatização no Brasil – Com Felipe Montoro Jens

 

O Brasil foi durante muitos anos dependente de inciativas do estado, no entanto, a partir do final dos anos 80, algumas ações para mudar isso começaram a tomar forma. De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), um dos motivos para isso ter acontecido foi a crise da dívida externa, que favoreceu o desenvolvimento da privatização no país. Dessa forma, a privatização pôde suprir demandas de investimentos em setores de infraestrutura, contribuindo para a modernização do país. Conheça mais sobre a história da privatização no Brasil, quem explica é o especialista em Projetos de Infraestrutura, Felipe Montoro Jens.

 

 

 

Durante muito tempo o Brasil foi dependente de empresas estatais, essa dependência só diminuiu devido à crise de dívida externa, com isso, a privatização passou a ser considerada com o intuito de suprir às necessidades de demanda em projetos de infraestrutura, reporta Felipe Montoro Jens em seu site.

 

 

 

Graças ao Programa Nacional de Desestatização, aprovado em 1990, o governo pôde iniciar reformas econômicas que tinham como objetivo a privatização de empresas dos setores aeronáutico, petroquímico e siderúrgico.

 

Felipe Montoro Jens reporta estudo da CNI sobre obras paradas no Brasil

 

Esse movimento de privatização contribuiu para o surgimento da 1ª área de infraestrutura privatizada, o setor de telecomunicações, considerado o processo de privatização mais bem-sucedido no país. Felipe Montoro Jens ressalta que por meio da Lei Geral de Telecomunicações, aprovada em 1997, o estado passou apenas a regulamentar esse setor, e não mais a ser o responsável pelo fornecimento do serviço. Para regular esse segmento foi criada a Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), salienta Felipe Montoro Jens.

 

 

 

Um outro fator importante para o desenvolvimento da privatização no país, foi a aprovação da Lei das Parcerias Público-Privadas (PPPs), em 2004, explica Felipe Montoro Jens. Por meio dessas parcerias, a iniciativa privada pôde contribuir para diminuir o déficit em investimentos em áreas de infraestrutura, como na educação, no desenvolvimento urbano e no setor de saúde.

Guilherme Paulus participará do Fórum Conectivdade – Hub Negócios

Guilherme Paulus — uma das personalidades mais importantes do Turismo brasileiro — participará do evento denominado Fórum Conectividade – Hub Negócios, que foi criado e organizado pelas empresas: Mercado & Eventos e Promo Marketing Inteligente.

Elas se uniram para trazer temas pertinentes ao crescimento e o futuro da indústria da aviação comercial brasileira e da América Latina, principalmente, tendo em vista que a conectividade aérea é a maior responsável pelo desenvolvimento do turismo. Sem dúvidas ela é considerada essencial para o crescimento da economia de um país.

O evento contará com debates e palestras e terá a participação de 300 profissionais. Sua principal finalidade é promover mesas-redondas para que os líderes e empreendedores do Turismo do Brasil — entre eles, Guilherme Paulus —, possam palestrar e debater as melhores práticas para o desenvolvimento desse segmento.

A organização do evento já possui sua grade de painéis programada para, assim, poder abordar os principais assuntos que envolvam a conectividade aérea. O evento contará com quatro horas e desenvolverá conteúdos, como Formação e Hub, Desenvolvimento de Rotas, Aeroportos, Políticas Públicas, entre outros.

O evento terá o patrocínio de Foz do Iguaçu, Ceará, Espírito Santo, CVC, FBHA, Localiza, Inframerica, CNC, VINCI Airports, Shift, Renaissance e Ministério do Turismo.

O Fórum Conectividade – Hub de Negócios acontecerá em São Paulo no dia 26 de novembro, no Teatro Renaissance, a partir das 13:30 hs, com inscrições gratuitas.

Sobre Guilherme Paulus

Paulus, que atua no Turismo do Brasil há cerca de 50 anos, foi o fundador da CVC Turismo em 1972, em Santo André. O negócio foi feito, na época, em sociedade com Carlos Vicente Cerchiari e ambos a transformaram no império que é hoje, principalmente, pelo empreendedorismo e visão inovadora.

A CVC foi vendida em 2009 ao Carlyle Group — ocasião em que Guilherme Paulus passou a contar com um suporte de um fundo global de investimentos — que foi fundamental para o crescimento ainda maior da empresa em questão. Contudo, ele ainda é dono de cotas e faz parte do Conselho da empresa — que fatura R$ 5,2 bilhões anuais.

O visionário Guilherme Paulus, atualmente, faz parte do Conselho da CVC Corp — como já mencionamos neste artigo — e é presidente da GJP Hotels e Resorts, que conta com hotéis luxuosos na Serra Gaúcha, entre outros locais. No momento, segue com o projeto do luxuoso hotel em São Paulo, na Avenida Cidade Jardim, que só terá a surpreender com o luxo e sofisticação.

Vale ressaltar que o empresário foi escolhido pela Revista Isto É, em 2017, como o “Empreendedor do Ano” do setor de serviços. A publicação considerou sua atuação de grande destaque no cenário turístico brasileiro.

Roberto Santiago um homem de sucesso

Roberto Santiago é a cidade de João Pessoa no Brasil. Isso é de onde ele começou seu empreendedorismo . Começou por ter uma empresa de cartonagem. Roberto Santiago iniciou sua carreira ainda muito jovem. Ele estava no projeto , bem como na fabricação de caixas dobráveis ​​feitas de papelão. Estes foram fornecidos a uma série de empresas.

Então ele se mudou para o setor imobiliário. Ele começou comprando um grande terreno em João Pessoa. Em 1989, Roberto Santiago desenvolveu este terreno em uma jóia da coroa da cidade. Foi assim que surgiu o Manaira Shopping. Roberto Santiago freqüentou Pio X-Marist Colleg, é formado em Administração de Empresas.

O Mainara Shopping oferece mais do que apenas compras. Ele também possui um cinema, pistas de boliche, salões de baile, jogos eletrônicos e um parque de diversões. Isso porque Santiago queria dar às pessoas mais motivos para visitar o shopping do que apenas fazer compras. As empresas do shopping elogiam Roberto Santiago por sua visão de criar atividades que atraem milhares de pessoas.

Esse tipo de criatividade é o que faz Roberto Santiago se destacar como empresário. Ele entende como agradar a clientes e proprietários de empresas. Seus funcionários garantem que os visitantes não apenas se entretenham, mas também sejam tratados com respeito. Esse tipo de pensamento catapultou Santiago para o topo quando se trata de empresários brasileiros. Ele está disposto a não poupar despesas para garantir que seus negócios sejam bem-sucedidos. Enquanto alguns estão beliscando centavos e observando a linha de fundo, Santiago está fazendo investimentos sábios em suas propriedades que fazem os clientes quererem voltar de novo e de novo.

Roberto Santiago, iniciou sua carreira profissional trabalhando no Café Santa Rosa. Ele então construiu uma empresa de muito sucesso que fabricava caixas de embalagem de papelão. Ele pegou os lucros desse negócio e investiu em vários outros setores. Roberto Santiago também é muito apaixonado por esportes e ganhou inúmeros campeonatos de kart e motocross. Ele trouxe esse mesmo tipo de paixão à sua carreira nos negócios e mostrou que não tem medo de investir em suas empresas para garantir que elas sejam as melhores. Isso ajudou a construir sua reputação como vencedor em todos os aspectos de sua vida.

O Manaira Shopping Mall não é o primeiro empreendimento de Roberto Santiago no prédio de shopping centers. Ele também é dono do complexo Mangabeira Shopping e outras instalações similares. Todas as instalações oferecem um ambiente seguro e sereno e fazem com que as pessoas se sintam confortáveis ​​desde o momento em que entram pela porta. Além disso, todos os seus estabelecimentos têm equipamentos de última geração, assentos confortáveis ​​e modernos, comida gourmet e os melhores vinhos e destilados oferecidos em bares totalmente equipados. Seus 11 salões de cinema são projetados com o prazer de seus clientes em mente. Muitos deles ainda têm salas VIP privadas com equipamentos para assistir filmes em 3D.

O Domus Hall é o espaço climatizado que fica no telhado deste shopping. Foi concluído em 2009. Tem espaço suficiente no interior. Por isso, é um lugar perfeito para sediar shows, feiras, além de exposições, juntamente com grandes conferências. Pode haver 10 mil pessoas que podem se encaixar nessa estrutura de dois andares. Tem um mezanino com cabines individuais. Isso é perfeito para música lounge ou festas particulares. Existe um piso térreo que pode receber grandes eventos públicos. Este é o lugar para concertos e produções teatrais, pois há equipamentos avançados de som, acústica e assim por diante.

Roberto Santiago criou estabelecimentos de alta qualidade em todo o Brasil. Todos eles têm as melhores instalações possíveis. E ele faz de tudo para atender aos variados gostos de seus clientes, seja oferecendo pipoca gourmet ou a melhor comida do Brasil.

Felipe Montoro Jens reporta convênio firmado entre BNDES e BID para nova linha de crédito

Um convênio firmado entre o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), em novembro passado, promoverá a abertura de uma nova linha de crédito condicional. Ao todo, a parceria disponibilizará US$ 2,4 bilhões, noticia Felipe Montoro Jens, Especialista em Projetos de Infraestrutura.

O objetivo do acordo é permitir o financiamento de projetos oriundos da iniciativa privada, a médio e longo prazo, nos seguintes setores: sustentabilidade energética, infraestrutura e suporte a projetos inovadores em médias e pequenas empresas. Além disso, de acordo com informações veiculadas na imprensa pelo BNDES, um contrato de empréstimo no valor de US$ 900 milhões já foi assinado e será direcionado para o Programa de Financiamento para Energia Sustentável. Este é o primeiro repasse do convênio e conta com US$ 750 milhões provenientes do BID e US$ 150 milhões originários do BNDES. Os recursos deverão subsidiar projetos voltados à energia eólica, reporta Felipe Montoro Jens.

Sobre o BNDES

Com mais de seis décadas de operação, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social é considerado uma das maiores instituições financeiras, entre as dedicadas ao desenvolvimento social, em todo o mundo. Conforme destaca Felipe Montoro Jens, o BNDES, nos últimos anos, tem sido um dos principais mecanismos do Governo Federal para custear investimentos e financiamentos a longo prazo em diversos setores da economia nacional.

Segundo a própria homepagedo BNDES, o órgão “confere apoio aos empreendedores brasileiros, independentemente de seu porte (até mesmo pessoa física), para que seus planos de crescimento, modernização ou realização de novos negócios possam ser efetivados, prezando sempre a criação de empregos, aumento da renda e consequente desenvolvimento do país”.

A assistência proveniente do BNDES pode ocorrer de diversas formas, contudo, os principais meios de suporte são: investimentos e financiamentos; aumento de capital a partir de valores mobiliários (subscrição); concessão de garantias e destinação de recursos (não reembolsáveis) a programas sociais, esportivos e culturais, ressalta Felipe Montoro Jens.

Sobre o BID

O site oficial do Banco Interamericano de Desenvolvimento revela que a instituição, concebida em 1959, tem como principal missão a melhoria da qualidade de vida das populações do Caribe e América Latina: “Prezamos pela melhoria da saúde, infraestrutura e educação por intermédio de suporte técnico e financeiro às nações que lutam pela redução da desigualdade e pobreza. A nossa obrigação é elevar o desenvolvimento social de maneira ecológica e sustentável”.

O BID mantém parcerias com outras instituições, de modo a compor o Grupo BID. Além do Banco Interamericano de Desenvolvimento, constituem o Grupo: o Fundo Multilateral de Investimentos (Fumin) e a Corporação Interamericana de Investimentos (CII). Entre os atuais propósitos de intervenção do Grupo estão compreendidos alguns desafios: melhorar as taxas de crescimento econômico e os níveis de igualdade e inclusão social.

Além disso, outras metas do Banco Interamericano de Desenvolvimento incluem: fornecer provisões às carências das nações mais vulneráveis, possibilitar o desenvolvimento a partir da iniciativa privada, além de fomentar a integração regional, reporta o Especialista em Projetos de Infraestrutura, Felipe Montoro Jens.